sexta-feira, 23 de maio de 2014

Você é UM dos meus amores.

Quando as coisas ficam um pouco confusas...

(...)

- Não, o único.

- Mas isso não pode. 

- Pode sim, não tem essa conversa de "um dos seus amores".  Eu tenho que ser único.

- Que intransigente! 

- Claro que não.

- Claro que sim! Beira a possessividade. Eu posso amar outras pessoas e continuar amando você.

- Ora, isso é uma completa traição! (Para pra pensar) Não, é uma deslealdade.

- Oxi! De jeito nenhum. Nunca me comprometi a amar somente a você. Meu coração é aberto... Livre... Selvagem. 

- Esse estilo de vida é mentiroso. Você sabe! Ninguém consegue fazer isso... Somos naturalmente monogâmicos. 

- Opa! Pera aew! Somos amigos, cara pálida... Não há nenhum vinculo que nos une. Não somos um casal...
Além do mais, já foi provado que o ser humano é instintivamente incapaz de ser monogâmico.

- Ah, mas depois de tanto tempo... Tantas idas e vindas... "Ficadas"...

- Você gerou um loucura...

- Gerei amor! 

- Não é amor... É comodismo. Transas garantidas. Que não requerem esforço e (antes de uma interrupção) ultimamente nós temos sido muito automáticos. Você tem sido. E aquele caminho pra conquista...?

- Não seja por isso. Eu posso tentar... Aqui (fez um carinho na cabeça da pessoa). 

- Pára! Deixa de ser idiota. Você entendeu o que eu disse... Eu gosto de você... Gosto mesmo. Te amo! É bom confidenciar coisas pra você. Sabe? Tomar uma e conversar até amanhecer.

- Mas você me fala dos seus outros "amores" (com desdém).

- PORQUE SOMOS AMIGOS! Eu achei que podia falar com você sobre isso...

- Beira a crueldade...

- O que?!

- Já torturou algum filhote hoje?

- Ah, pelo amor de Deus. Que babaquice. Isso é drama!

- Drama?!

- É. Drama! Esta fazendo isso porque da última vez foi péssimo e você sabe que eu percebi que você não estava se dedicando.

- Eu... Eu...

- Você...? Você é idiota! Mil vezes te procurei e você naquele relacionamento perfeito e bonitinho. Eu era a pessoa certa pro seu adultério. Mas agora... "Tem que ser oficial". Esquece! Você sabe que não sou assim.

- Então porque está cobrando?

- Não estou cobrando. Estou constatando um fato. Não ligo pra algo fugaz e divertido. Sem comprometimento... Mas não venha ser hipócrita. Não venha querer descarregar esse puritanismo na minhas costas!

(..) Silêncio.

- O que faremos?

- Você esquece essa palhaçada... E nós esquecemos essa discussão sem sentido.

- Ok...

- Ok...

(..) Silêncio.

- Onde estávamos?

- Você estava beijando meu pescoço... Isso.


Por: Caio Terciotti

Nenhum comentário:

Postar um comentário