quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

"Amor?! (...)"

"(...) Prefiro coxinha!".

  É o que me disse uma amiga em tom de brincadeira.
  Mas ela tem razão, além de ser uma iguaria  maravilhosa, é comprada e não acaba com você emocionalmente. Não te deixa na fossa, não faz você achar que o mundo acabou. Porque são várias as coxinhas por aí, disponíveis, querendo dar todo carinho do mundo pro seu paladar. E são diversas. Massa de farinha, massa de batata, massa de mandioca com o clássico recheio de frango, ou algum outro que inventem colocar. Quando uma coxinha acaba, você compra outra. Ah, mas esse sentimento não se pode trocar. E sua metamorfose é lenta e demorada, em alguns casos definham o ser que serve de hospedeiro. Por sinal, que ótima metáfora. Alien!

  Ah, sim. Borboletas no estômago ao ver AQUELA pessoa?! Cuidado! Quem não se lembra da clássica cena do sucesso de Ridley Scott, em que um bicho sai de Sigourney Weaver? Você pode ser a mamãe do bebe extraterrestre. No clássico oitentista de Spielberg, será mesmo "Amor" o que sente o garotinho pelo ET?
  Amar com certeza lhe traz algo de bom, alias, muitas coisas boas. Mas até que ponto vale se arriscar a essas coisas furtivas e incertas. Sabendo que quando acabar, e pode acabar, o sofrimento é horrível. Aquela fase em que, não importa quantos males maiores há no mundo, o que você está sentindo é pior e pronto. E ainda faz bico! Porque de acordo com as experiências sociais, o ser humano aprende que chantagem emocional as vezes funciona e o choro "lava a alma".

  Mas vale a pena. Sempre vale! E até os mais rústicos concordam que não tem preço acordar com a pessoa que mais te faz feliz. E poder acordá-la, de vez em quando (cuidado pra não tomar um soco ao acordar alguém), com um beijo, um abraço ou um sussurro. Essas experiências fazem abrir uma vantagem enorme contra o medo de não se "amarrar". Ouvir nas horas menos apropriadas os "segredos de liquidificador" de alguém que está com vontade de te fazer "muito feliz", e você querendo retribuir com igual ou maior intensidade! O compromisso com alguém que te faz bem, te dá animo pra amadurecer e ser alguém melhor.

   É a verdade por traz das pequenas ações que nos faz ver o quão impotente somos sozinhos. A pessoa amada, os amigos amados são nossa força motriz para andar, andar e andar. O amor é fundamental, afinal de contas, seja  ele como for, para quem for e de que forma se manifestar. Você pode estar pronto ou não "pra amar, e ser amado em retorno", mas quando acontecer, você não vai poder se esquivar.  Se te amarem e não estiver pronto, seja sincero e ajude. Talvez, "você seja eternamente responsável por aquilo que cativas", mas não se faça também um cativo disso. Afinal, como disse um outro amigo, "essa história de 'eternamente' é de foder né, cara?!"

Caio Terciotti - Sempre com vontade de mijar -
No texto mais esquizofrênico da minha vida!

Nossa pagina no facebook: https://www.facebook.com/maneira.burra

Nenhum comentário:

Postar um comentário